segunda-feira, 22 de novembro de 2010

A Cidade da Cachoeira e a festa da N.S .da Ajuda....

Manduzinho brincando de conquistador....
Mandus eram a alegria de todos....
os AVATARES,,,,,,
um descanso na beira do rio, pois ninguém é de ferro....
e do outro lado do Rio Paraguaçu, a cidade de São Félix sózinha, pois todos os sanfelistas estavam na Cachoeira....
Cabeçorras , este ano elas foram reinventadas, estavam em extinção
Cabeçorra e Bruxa, AI meu D' us SOCORREI-ME.....
O Lobo MAU
Zorro acompanha alguns ETS....
este ano a Tropa de Elite apareceu, mas feliz mente nada pode fazer...
o povo que não tem coragem de cair na folia, contempla os corajosos...
"ate o chapeleiro maluco da Alice deu seu de graça"
" os diabinhos e as diabinhas também gostam de se misturar no meio dos devotos...."
" O anjo caído chega na madrugada para proteger a identidades dos foliões"
"desconhecidos dos agentes do poder vigente, se esbaldavam"
" a medicina social chegando a um Brasil ate hoje não achado?"
"Os bebês chorões, primeiros tipos criados do passado...."
" uma avatar quer abrir as portas da igualdade ?"
Historia Oral .
Contaram-me assim:
"Dizem que nos tempos da colonização portuguesa no Brasil, aqui especificamente na Bahia,
Nossa Senhora da Ajuda era a padroeira dos Engenhos de Açúcar. Na igreja desta N. Senhora
não podiam entrar os escravos, os trabalhadores das lavouras da cana-de-açúcar; assim algumas mulheres negras e escravas para comemorar também a data da veneração à santa resolveram comemorar no pátio, no entorno da Capela, sim ,pois a igreja é uma Capela pequena, mas singela.
E os filhos e maridos iam fantasiados para não serem de imediato reconhecidos pelos senhores padres." E isso durou tanto tempo que, com a liberdade do trabalho escravo, a Tradição se fez continuar e hoje estamos lá todos nós, muito mais pela brincadeira do que própriamente pela Santa....

3 comentários:

Multiolhares disse...

a vida está tão pesada, faz bem falta esses momentos de descontracção
bJs

M. Chauvin disse...

Belas imagens e otimo texto.

A minha curiosidade é: como estava fantasiada a senhora por tras da lente? rs

Luis Filipe Gomes disse...

Cá por Portugal existiam até há pouco festas dessas nesta altura do ano. Desde o S. Martinho a 11 de Novembro, passando pelo dia de Natal, o dia de Santo Estevão a 26 de Dezembro, o Ano Novo, o dia de Reis etc. A máscara é presença frequente e o desfile de gigantones e cabeçudos com bateria de Zés Pereira era comum e ainda existe. A raiz dessas festas estará nas nossas apesar dessa explicação sobre a proibição dos escravos na igreja. Uma perplexidade para a qual não tenho explicação e apenas intuição e interpretação por analogia é o facto de os membranofónes, tambores e restante família sonora, não terem sido proíbidos pelos esclavagistas que se instalaram no Brasil. Nos Estados Unidos da América os tambores eram simplesmente proíbidos aos escravizados e a pena para a sua utilização era a pena de morte.
Talvez por isso lá se tenha chegado ao blues enquanto no Brasil se chegou a uma imensidão de géneros com viva percurssão, incluindo o Samba.