terça-feira, 24 de janeiro de 2017

agruras de cidades grandes

O que se pode fazer quando um apartamento dentro de pequeno condomínio está fechado por causa de inventário e começa a apresentar suspeitas de que é um espaço próprio para uma prolifera moradia de ratos? O sindico diz que não se pode arrombar as portas para verificar e dedetizar o ambiente do apartamento; não se sabe ao certo quem está responsável pelo imóvel. E nesse condomínio tem apartamento térreo onde mora uma família com criança de 16 meses?  E os ratos aparecem durante a noite correndo pela sala e pela cozinha desse apartamento? Existe algum serviço publico em que o Estado ou a Cidade seja responsável?


sábado, 7 de janeiro de 2017

CRITICAR E JULGAR, A QUEM?

Ultimamente eu venho acumulando informações expressas numa rede social que eu frequento e onde mais da metade dos meus amigos são conhecidos de fato, pessoalmente. Pessoas que estudaram comigo, ou pessoas que em algum momento trabalharam nas mesmas empresas que eu, ou
amigos apresentados por outros amigos.
Grande parte desses "amigos" se dizem religiosos na maioria cristãos. E é justamente por esse viés que eu estou observando o que eles escrevem criticando e julgando o tempo todo aqueles que não tem a mesma forma do pensar. Pessoas que desejam paz e amor, se vestem de branco e vão beber espumantes e jogar as garrafas vazias na areia, como se o mar precisasse dessas porcarias artificiais de vidros de péssima qualidade!
Pessoas defendendo que o cidadão comum tem que andar armado e que deve matar todo aquele que está cometendo infrações, mesmo que essa infração não seja de sua alçada! Cadê o sentimento de paz?
Onde fica o tão aclamado perdão vomitado por suas línguas e bocas cristãs?
Arre! e eu que não quero sequer criticar e julgar, o que faço aqui?
A flor representa sentimento?
Qual?

domingo, 11 de dezembro de 2016

MUSEU DO UNIVERSO NO RIO DE JANEIRO!

A






Ai a gente foi ao Museu do Universo, o antigo planetário da cidade do Rio de Janeiro; num domingo de manhã onde eles apresentavam dois programas distintos direcionados as crianças de todas as idades. Até aqui tudo normal como manda o figurino. As coisas para crianças em museus (na minha ótica , pelo menos os que eu conheço e já vi) sempre me soam IDIOTIZANTES. Os programas nesse Domingo que nós levamos nossas crianças tinham : do lado externo do museu uma apresentação com um palhaço capenga e duas meninas fazendo mal malabarismos. Mas as crianças curtiram e foi razoável. Logo depois que isso acabou, dentro do espaço do museu ia acontecer um programa com musica clássica apresentado por dois músicos americanos. Uma mulher no piano e um homem num oboé. Antes de ir ao museu ligamos por telefone para saber se a apresentação da musica clássica estava aberta as crianças e eles responderam que sim. Bom, então lá fomos nós. Trés adultos e duas crianças entre dois anos e um ano e três; de repente aparece uma mulher e pede que a gente saia da sala. meses. Meu neto adora musica e ouve ópera comigo; o outro amiguinho está sendo iniciado na música e é louco por instrumentos de sopro.Pessoas acostumadas a ouvir musica em casa e levar as crianças para "bons lugares culturais". Enfim, estávamos sentados na segunda fila e começamos a ouvir o concerto. O garotinho de dois anos não se conteve e começou a falar para a mãe o nome do instrumento que o homem estava tocando e perguntando coisas referentes a musicas; de repente aparece uma mulher e pede que a gente saia da sala, pois os músicos americanos NÃO ESTÃO ACOSTUMADOS a tocarem com nenhum som na sal que não seja os dos próprios instrumentos!
Ficamos perplexas! pois antes de entramos na sala confirmamos se as crianças poderiam entrar se o programa era voltado também ao publico infantil e eles disseram que sim!
Estou cada dia mais certa d eque essa gente de Museu não entende nada de nada! São apenas uns bonecos que justificam os cabides de empregos nesses espaços públicos no Brasil!

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

QUEM FOI O IMBECIL QUE PROJETOU O METRO DO RIO DE JANEIRO?

Fazia um bom tempo que eu não escrevia aqui. Por vários motivos, mas principalmente por falta de motivação; também eu ando enjoada de ter que reclamar de tudo, brigar por tudo que tem a ver com o convívio social, porque se eu for levar a serio a sociedade atual vou me deprimir.Mas não tem como deixar passar o que me ocorreu hoje.
Sai de casa, aqui no Leblon, bairro da zona sul carioca ( considerado um dos metros quadrados mais caros do Estado do Rio de Janeiro),com meu neto Abel (12 meses) , ele no seu carrinho, com destino a estação de metrô Botafogo; na estação Jardim de Allah (Leblon), eu me dirigi a entrada chamada Av. Afrânio de Melo Franco. Qual não foi a minha surpresa ao chegar e verificar que não existe acessibilidade para carrinhos de bebes e nem para acadeirantes! NÃO EXISTE RAMPA! São quatro lances de escadarias, sendo a primeira escadaria a que fica na calçada da  Rua Ataulfo de Paiva e as outras trés dentro da estação levando para as caixas eletrônicas que vendem os bilhetes para os passageiros.Não tem bilheterias. Eu consegui subir e depois descer as escadarias graças a boa vontade de um homem desconhecido, que em ajudou a levar o carrinho pelas rodas dianteiras e eu pelas rodas traseiras. Primeira etapa vencida. Dentro do trem, NINGUÉM da o lugar (até as cadeiras das pessoas especiais são tomadas pelos ignorantes) e eu fiquei em pé segurando o carrinho, its ok. Ao descer na estação General Osorio, parada obrigatória para troca de linhas, não tinha nenhuma sinalização para ir pegar o trem. Desci e subi  e desci outra vez pelo elevador para chegar aonde se pega o trem. Uma coisa horrorosa para quem precisa andar no metrô, acadeirantes e carrinhos de bebês..Quando finalmente chegamos em Botafogo, é proibido andar com carrinho de criança no elevador! E ai o segurança pegou o carrinho subiu as escadas (dois lances), eu peguei o Abel e subimos para a plataforma que nos levou a rua! FOI UMA AVENTURA PARA O ABEL, QUE NUNCA TINHA ANDADO DE TRENS! Ele curtiu os elevadores de vidros das novas estações, curtiu ser levado pro alto no carrinho e curtiu as luzes....

quinta-feira, 4 de agosto de 2016

Cotidiano carioca, hoje bizarro!

E teve ameaça de bomba bem aqui no nosso quarteirão, no Leblon. Policia com carro apitando; gente na rua em vez de se afastarem as pessoas se aproximavam e os policias fazendo as pessoas recuarem, patetico e hilario ao mesmo tempo! a rua ficou em panico! e eu passei pelos policiais e falei bem assim: eita é uma bomba do ESTADO ISLAMICO! ELES CHEGARAM! HAHAHAHH
 levaram a caixa, quadrada, embrulhada de papel branco de uns 40 centimetros quadrados....

A caixa, parecida com uma maleta  estava em cima do capô de um carro bem na frente do portão do nosso predinho! hahahahah

Eu ouvi uma vizinha falar alto no telefone dizendo que era moradora do Leblon! E eu pensei, "nossa deve estra tendo uma briga  por ai!" Nem imaginava essa coisa de ameaça de bombas durante as olimpíadas por aqui!

Eu estava saindo de casa para ir ao mercado comprar café. E não estava com a máquina. Fiquei irritada de ter marcado essa touca. Sair nesse tempo aqui no Leblon, sem equipamento fotográfico. Quando retornei fiz uma foto com meu celular do carro sem o pacote porque a policia já tinha levado o pacote embora! E as pessoas foram para a praia ou saíram para bater pernas no shopping Leblon, aqui na rua!


Quando a policia já tinha ido embora. Não me deixaram fotografar com o celular....odio!

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

cotidiano na cidade do Rio de Janeiro, pequenos recortes.

Ando pelas ruas dos bairros de Ipanema e do Leblon e me estendendo para os lados da Lagoa Rodrigo de Freitas percebi que em frente a alguns edifícios luxuosos a falta de vegetação é gritante. Nenhum jardim, nada de flores, nas calçadas a falta das arvores frondosas que em muitos prédios antigos ainda permanecem me fizeram refletir sobre isso. Quanto mais luxo mais frios são esses habitantes? Será medo de emboscadas na entrada de suas mansões verticais? Mas para que servem tantos porteiros nordestinos e seguranças ostensivos para tudo isso?

domingo, 31 de julho de 2016

cotidiano de uma grande cidade, aqui o Rio de Janeiro

Na orla das praias de Copacabana Ipanema e Leblon resolveram construir uns espaços comerciais tão grandes que a gente não vê mais o Mar se estiver do outro lado da calçada!!! É inacreditável até onde chega a ganancia humana!

Na Lagoa Rodrigo de Freitas tem uma faixa para pedestres e bicicletistas. Porém, apesar de um aviso que a pista é prioridade do pedestre, quem está em rodas não quer nem saber; são bicicletas e skates que disputam o espaço e são capazes de atropelar qualquer um pedestre que esteja em sua frente.

O brasileiro é assim, adora imitar o que vê fora do país! Em algum lugar lá das oropas gente enche uma ponte de cadeados; dizem que a coisa está tão pesada que está ameaçando a própria ponte! Isso foi o que a televisão mostrou; e agora o povo transferiu o problema para uma pequena grade na Lagoa Rodrigo de Freitas!

As calçadas cariocas estão disputando com as calçadas do Recife o título de qual é a pior das piores. Felizmente aqui esse passarinho bebe água. Certamente algumas vezes "ha males vem para bens"?

Apesar das águas sujas a gente pode  fazer uma bela imagem!